Iflix quer derrubar a Netflix com vídeos exclusivos em vários países

Enquanto a Netflix tenta aumentar a participação na Ásia colocando mais conteúdo local e preços mais agressivos, uma rival local chamada Iflix arrecada U$ 5 milhões para fazer o mesmo. Ex-executivo do Youtube está na liderança da empresa.

A Iflix é uma empresa de streaming sediada na Malásia e que opera em 26 países da África, Oriente Médio e Ásia. Ela anunciou hoje um programa de US $ 5 milhões para encontrar 30 cineastas em quatro de seus maiores mercados: Indonésia, Malásia, Bangladesh e Filipinas.

Iflix

A empresa, que arrecadou quase US $ 300 milhões de investidores que incluem a Sky, oferece um serviço Freemium com um nível pago que custa cerca de US $ 3 por mês. É a maior empresa de streaming na região atualmente.

Leiam também | Como acessar Netflix americana através de uma VPN

A iniciativa de doze meses será conduzida ao lado do Next 10 Ventures, um programa de conteúdo digital do ex-executivo do YouTube Benjamin Grubbs, com o objetivo de ajudar cineastas que trabalham meio-período.

“Há receita de anúncios em alguns mercados, mas pode não ser suficiente para permitir que você tenha uma carreira em tempo integral”, disse Grubbs, que anteriormente era diretor global de parcerias com criadores de conteúdo do YouTube, em entrevista ao TechCrunch.

Iflix deseja ajudar produtores independentes

“Um compromisso inicial para apoiar contadores de histórias criativos é um elemento positivo para o ecossistema… há coisas que as pessoas querem fazer sem esperar pelo patrocínio de alguma marca”.

Além do financiamento, o programa fornecerá orientação, equipamentos e outras formas de assistência para produzir conteúdo exclusivo para a Iflix.

A Iflix lançou seu próprio programa de conteúdo original há 18 meses, e Craig Galvin – chefe global de conteúdo da empresa – disse que a iniciativa não se limita apenas aos mercados locais de criadores, o que pode ser uma suposição lógica dada a abordagem mais global da Netflix.

Em vez disso, Galvin – que lançou o primeiro programa de vídeo de formato curto da Iflix no início deste ano – argumentou que existe o potencial para alcançar os espectadores globais da Iflix.

“Nós vemos o nosso caminho para ser mais centrado no local, mas eu acredito que parte desse conteúdo vai viajar muito além de seus territórios”, disse ele ao TechCrunch.

“Para muitos, a remuneração ainda não é suficiente”, acrescentou Galvin. “Então, para nós, estamos permitindo a eles algum espaço para ajudar a alcançar todo o seu potencial.”

O objetivo é a produção de vídeos curtos

Os vídeos curtos suportados pelo programa não serão tão breves quanto os curtos de um segundo que você encontrará no TikTok, a plataforma de vídeo em rápido crescimento, já que Galvin e Grubbs estão buscando mais conteúdo episódico.

No entanto, eles permanecem abertos a “explorar a experimentação” – potencialmente uma série de curtas de um minuto – se tais propostas forem consideradas para ressoar com o público.

“Não há um número definitivo, mas esperamos cerca de 1.500 conteúdos como parte deste programa”, disse Galvin, acrescentando que espera expandir o programa para abranger mais ou todos os mercados da Iflix no futuro.

Uma comparação óbvia para a iniciativa Iflix é o Viddsee, um serviço de streaming baseado em Cingapura que apresenta conteúdo com vídeos curtos de cineastas independentes da Ásia.

Fundada em 2012, a Viddsee já arrecadou pouco mais de US $ 2 milhões e recentemente introduziu um recurso de crowdfunding que permite aos cineastas levantarem fundos diretamente de seu público global.

A empresa também ajudou cineastas a encontrar patrocinadores de marca para obter os cheques necessários para financiar a produção.

André Luiz

Depois de mais de uma década trabalhando com eletrônica e telecom, resolveu escrever sobre tudo o que já havia aprendido. Assim nasceu o Tekimobile.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *