Vivo tem lucro de R$ 1,3 bilhão e dispara na frente da Claro

Vivo teve aumento de 22% referente ao trimestre anterior e agora está 7% na frente da Claro no market share das operarodas brasileiras.
Por
9 de maio de 2019 às 8h07 - Atualização: 09/05/2019
operadora vivo

Depos da TIM divulgar o resultado financeiro do primeiro trimestre de 2019, agora é a vez da Vivo. A maior operadora móvel do Brasil teve um aumento de 22% no seu lucro, alcançando R$ 1,3 bilhão. Cifra foi resultado do foco no pós-pago e fibra óptica.

Graças aos esforços da Vivo em focar em produtos que possuam maior retorno financeiro, setor pós-pago e fibra óptica, a empresa conseguiu ter um bom resultado. O aumento representou 22% de aumento em receita da empresa.

Com o desempenho das vendas de serviço móvel, aparelhos e banda larga, a receita líquida da companhia aumentou 1,7% contra o ano anterior. Tudo isto foi possível graças ao investimento da empresa no período, que somou R$ 1,7 bilhão. O incremento foi de 9,6% quando comparado ao igual período do ano anterior. O foco dos investimentos ficou por conta de sua rede de fibra óptica e do 4G.

Pós-pago é o foco, pré-pago continua a cair

A Vivo tem seguido uma meta de aumentar a receita e investimentos no segmento pós-pago. Atualmente ela possui 75,5 milhões de linhas móveis ativas, 2,1% a menos que em 2018. Porém, dessas linhas desconectadas, 13,5% são referentes a ex-clientes pré-pagos.

vivo pós-pago

A base de acessos pós-pagos se expandiu em 9,4% no período e agora representa 55,8% do total de acessos móveis, que representa um incremento de 5,9% no comparativo anual. Neste mercado, a Vivo mantém a liderança com share de 40,1%. Na tecnologia 4G, a Vivo também está à frente de seus concorrentes, com participação de 31,2%. A TIM continua com a maior cobertura.

Já os acessos M2M, como máquinas de cartão e dispositivos de Internet das Coisas, cresceu 30%, com 8,6 milhões de acessos. Nesse segmento, ela possui 41% do share brasileiro.

Liderança no mercado

Mesmo a Claro aumentando e deixando a TIM para traz, ela dificilmente alcança a lliderança da Vivo. A operadora resgistrou em março de 2019 32,1% do market share brasileiro, ficando 7,5% acima da Claro.

O CEO da companhia explica que o resultado é reflexo da atenção e da experiência física e digital que a Vivo oferece aos clientes, por meio do atendimento via “Meu Vivo” e “Aura” (inteligência artificial da Vivo), por exemplo. Christian Gebara diz que os serviços “trazem um ambiente tecnológico e consultivo para atender a todas as necessidades”.

Fixo e banda larga

No segmento fixo, a Vivo teve queda de 3,2% na receita líquida no período. Isto se deve à menor arrecadação com serviço de voz, já que os brasileiros estão cada vez falando menos ao telefone.

vivo fibra iptv

As perdas foram parcialmente compensadas pela expansão da receita de banda larga, que vai ganhando maior proporção sobre o total a cada trimestre. O segmento cresceu 12,6% no primeiro trimestre, impulsionada pela receita de FTTH, que representou 31,6% do total.

Vivo Fibra chega a mais cidades

Durante o período, o investimento (capex) da Vivo foi de R$ 1,7 bilhão, com foco em expansão do serviço de fibra óptica e 4G/4,5G. No período, a operadora ativou o serviço Vivo Fibra em 9 cidades, com mais de 300 mil residências home passed. As cidades foram Boituva (SP), Cabedelo (PB), Catanduva (SP), Mafra (SC), Santa Maria (RS), São Bento do Sul (SC), São José do Rio Pardo (SP), Varginha (MG) e Vitória (ES).

A Vivo encerrou o período com 130 cidades operando com tecnologia IPTV e FTTH (Fiber to the Home), que leva os cabos de fibra óptica até a residência do cliente. Enquanto isso, há 117 cidades com FTTC (Fiber to the Curb), em que a fibra óptica chega até um poste ou gabinete próximo, e é conectada via fio de cobre até a residência.

A operadora também possui presença em 3.138 municípios com tecnologia 4G, dos quais 1.022 possuem também o 4,5G.

Mais sobre: Vivo,
Matérias relacionadas

Deixe uma resposta