Compensa adquirir um smartphone dobrável tão cedo?

Por
25 de junho de 2019 às 11h56 - Atualização: 25/06/2019
huawei Mate X

O próximo grande passo no mundo mobile parece ser a chegada ao mercado dos smartphones dobráveis, prometida pelas gigantes do mobile para junho deste ano.

Esta tecnologia promete satisfazer o desejo dos mais ávidos viciados em jogos ou em séries, porque cabe num bolso como um vulgar smartphone e abre-se como um tablet de tamanho médio, mas comprá-lo cedo de mais, pode ser um passo maior que a perna…

Se você é daqueles que gostam de estar entre os primeiros a adotar e a experimentar os últimos gadgets do mercado, já deve ter pensado em ser um dos early adopters de um smartphone dobrável.

No entanto, será que é uma boa opção comprar um celular que tem tamanho de tablet?

À frente no tempo, e nos problemas

Apesar de querermos mostrar aos nossos amigos que estamos à frente no tempo, comprar um celular dobrável tão cedo pode ser um erro crasso, por variadas razões.

Começando pelo princípio, os primeiros smartphones de uma linhagem são também os primeiros que os fabricantes abandonam, isto é, as marcas deixam de fabricar componentes e de lançar atualizações mais cedo, incluindo upgrades de segurança.

VPN para Android pode ajudar

Caso, ainda assim, optes por ser um dos early adopters de um smartphone dobrável, é uma boa ideia utilizares um VPN para Android para proteger a sua privacidade e o seu dispositivo caro (os preços serão na ordem dos 2 mil dólares).

Tela que dobra? E a resistência?

Segundo, não conhecemos ainda a verdadeira resistência de uma tela que dobra, tempo útil de bateria, performance, entre outros elementos do aparelho.

Em outras palavras, estamos lidando com o desconhecido, ao utilizar um smartphone com componentes totalmente novos que usam dobradiças, ainda em fase de testes e que, certamente, terão melhorias de hardware e software no futuro.

Leiam também | Samsung cancela lançamento do Galaxy Fold

É precisamente na tela dobrável e nas dobradiças que reside o principal problema dos smartphone dobráveis. Encaixar hardware em telemóveis que dobram e desenhar ecrãs que curvam e encaixam é, por enquanto, uma tecnologia que pode acarretar problemas, para muitos especialistas, uma ciência em rota de colisão durante o lançamento dos primeiros aparelhos.

Qual é a confiabilidade e a resistência desta tecnologia?

A resistência e a experiência de utilizador que os aparelhos atuais proporcionam, devem-se, em grande parte, à redução de peças que mexem para nível quase zero. Ora, os componentes e a própria carcaça de um telemóvel dobrável são muito pouco resistentes e contêm ainda demasiadas peças frágeis que podem dar azo a problemas muito facilmente.

Já utilizamos smartphones da mesma linha dos atuais há pelo menos uma década e demoramos um longo caminho a chegar aqui, com hardware e software em harmonia para rapidez, experiência de utilizador e bateria durável.

Os primeiros aparelhos desta linhagem de smartphone vulgar há muito que foram ultrapassados. Com a passagem para esta nova tecnologia, vamos voltar praticamente à estaca zero. Queres mesmo entrar tão cedo numa tecnologia que vai melhorar nas próximas gerações?

Custo elevado no princípio

Terceiro, os primeiros modelos de aparelhos inovadores são sempre os mais caros, e a tendência é que os segundos ou os terceiros da linha sejam mais baratos e venham com bastantes melhorias a todos os níveis.

Se acompanhas as últimas tendências em tecnologia mobile já deves ter reparado nos preços proibitivos dos smartphones dobráveis. O Galaxy Fold e o Mate X entrarão no mercado com valores próximos aos $1980 e $2600, respectivamente.

Vale mais esperar pelas próximas gerações, após um longo caminho de desenvolvimento e testes, os fabricantes conseguem dispositivos mais fiáveis e seguros que parecem preparados para sair das luvas dos engenheiros para as mãos dos utilizadores, com menos problemas e por um custo mais baixo, quer em reparações, quer no próprio preço.

Ainda não te convencemos a esperar? A tecnologia completamente nova chega ao mercado por um custo demasiado elevado, através de um aparelho que ainda está num estágio bastante embrionário e incerto e que pode acarretar reparações com preços proibitivos! Se já é caro reparar ou substituir um ecrã OLED, imagina o custo de reparar um ecrã OLED dobrável do tamanho de um tablet!

Não compres já! Os preços vão descer a pique daqui a um ano

De acordo com os especialistas em tecnologia mobile do Phone Arena, os smartphones dobráveis deverão baixar cerca de $700 (de $2000 para $1300). Não queira ser bode expiatório para arriscar milhares de reais num dispositivo ainda problemático. Caso ainda não te tenhamos convencido, ao menos proteja o teu telemóvel dobrável com um VPN para Android. Depois não digas que não te avisamos…

Ostenta tecnologia, mas use a cabeça

Se ainda continuas a ser aquele do teu grupo de amigos que gosta de ser o primeiro dos primeiros a ostentar as últimas novidades em tecnologia, ao menos faça com estilo e espere mais um ano. A tua carteira também agradece.

Matérias relacionadas

Deixe uma resposta