ArkOS da Huawei; existe ou somente é uma “arma” de guerra?

Entendam o que é verdade e o que não é relacionado ao ArkOS, novo sistema da Huawei que pode substituir o Android do Google.
Por
13 de junho de 2019 às 11h29 - Atualização: 13/06/2019
huawei vs eua

O Ark OS, sistema proprietário da Huawei, nem foi lançado, mas vem fazendo sucesso. Terça-feira (11) foi divulgado que Xiaomi e Oppo estão testando o sistema da rival. Agora, uma nova nota diz que as empresas “comentaram” que ele é 60% mais rápido que o Android.

De acordo com o Global Times, uma espécie de porta-voz do governo chinês, disse que “a Huawei está testando intensivamente seu sistema operacional proprietário (OS) HongMeng — Ark OS no Ocidente — com gigantes da internet e fornecedores domésticos de smartphones, e o novo sistema será lançado nos próximos meses”.

Ark OS realmente existe e é tudo isso?

Pensando mais calmamente, se analisarmos o Global Times sendo um porta-voz do governo chinês, essa declaração precisa ser contextualizada como parte da guerra política travada entre a China e EUA.

Tudo gira em torno da Huawei que está sendo acusada por Washington de praticar espionagem a mando de Pequim. Então, para mostrar aos EUA que a China não precisa deles — Google e seu Android — e que eles próprios —  Huawei e companhias chinesas usando o sistema — podem ter um sistema próprio e substituir o Android. Isso pode ser verdade, ou apenas uma declaração do governo chinês mostrando que é independente tecnologicamente.

Mas isso pode sim ser verdade. Se a Huawei e o governo conseguirem reunir outros líderes chineses, segundo a teoria, isso se torna muito mais do que a simples tentativa de uma empresa de sobreviver a uma lista negra. Significa que mais de 50% dos smartphones do mundo deixarão de usar o Android do Google.

Mais que fabricantes de smartphones

Além da Xiaomi, Oppo, uma fonte não identificada ligada a uma grande operadora chinesa, disse que as principais empresas de tecnologia chinesa estão trabalhando com a Huawei no lançamento do Ark OS (HongMeng OS).

Mas chama a atenção que até a Tencent foi citada, inclusive, supostamene, dizendo que é Ark OS é 60% mais rápido que o Android. Para quem não conhece, a Tencent é a maior empresa de tecnologia da China em valor de mercado.  Atualmente, ela é a oitava marca mais valiosa do mundo e a primeira na China.

Para completar, segundo os relatos, o Ark OS está muito próximo de ser lançado.  Rumores apontam de que o novo sistema operacional será lançado antes do Mate 30 da Huawei, que deve chegar dia 16 de outubro. Com isso, a Huawei poderia lançar seu mais potente smartphone já com o Ark OS na China e outros países da Ásia.

Vale lembrar que já houve confusão dentro da Huawei quanto a data de lançamento do sistema, onde executivos da empresa deram diferentes versões sobre o assunto.

Nenhuma das empresas de tecnologia mencionadas forneceu comentários

Mais uma vez, é tudo suposição. O Global Times encabeça toda essas informações citando várias empresas de tecnologia da China. Porém, nenhuma empresa ainda se pronunciou oficialmente.

Além disso, eles disseram que Xiaomi, Oppo e Tencent disseram que o ArkOS é 60% mais rápido que o Android, porém, eles apenas repetiram uma afirmação feita pelo diretor de negócios de smartphones da Huawei, Richard Yu. Nada ainda fundamentou essa afirmação, ninguém oficialmente viu o sistema rodando, ninguém viu o código ou algo a respeito.

No fim das contas, a briga Huawei vs EUA pode acabar logo

O South China Morning Post, portal chinês menos governamental e menos patriota em suas opiniões, comentou que essa briga entre Huawei e EUA não pode acabar sem concessões de ambos os lados. Por mais que a Huawei tente um novo sistema, a empresa depende da tecnologia dos EUA em vários aspectos.

Ela depende da tecnologia da ARM para seus processadores, ela depende dos chips Qualcomm e Intel, da Microsoft e seu Windows e por aí vai. Ou seja, a questão não é apenas um sistema mobile. Por outro lado, os EUA são dependentes da tecnologia 5G da Huawei, essa briga irá atrasar muito o país em relação a outros que continuam trabalhando co a chinesa.

Tanto o presidente Trump como o CEO da Huawei já manifestaram que pode haver um acordo, assim como aconteceu no ano passado quando a ZTE voltou a negociar com os EUA depois de entrar na lista negra.

Empresas americanas começam a se preparar contra retaliação

Temendo uma retaliação da China, o Bloomberg informou que tanto o Google quanto a Apple estão analisando as opções de fabricação de produtos fora da China, como manobra caso a China também aplique sanções a empresas americanas em seu território.

O Google “está transferindo para fora da China alguns servidores da Nest, evitando tarifas punitivas dos EUA e um governo cada vez mais hostil em Pequim”, enquanto “a Apple tem um plano de backup se a guerra comercial EUA-China ficar fora de controle”. A parceira de fabricação da empresa, a Foxconn, tem “capacidade suficiente para fazer todos os iPhones em outros países, caso necessário”.

Quem mais perde com o suposto ArkOS é o Google. Como dito anteriormente, mais de 50% dos smartphones do mundo são de marcas chinesas, se elas abandonarem o Android, isso significa uma enorme perda de receita para a empresa americana.

A Huawei também perde muito. Ela terá que convencer o público que seu sistema é melhor que o Android. Isso é muito difícil, pois, simplesmente não há garantia que os apps usados no Android irão funcionar; não há garantia que será seguro e que será realmente bom.

Na China isso pode ser relativamente fácil, porém, fora do país, é uma tarefa quase impossível a curto prazo. A própria empresa já adiou os planos de passar a Samsung e ser a líder mundial esse ano ou no ano que vem.

Matérias relacionadas

Deixe uma resposta