Início » Noticias » Apple processa ex-funcionário por abrir empresa de chips

Apple processa ex-funcionário por abrir empresa de chips

Apple acusa ex-funcionário de usar conhecimentos do trabalho na empresa para formar uma empresa para competir com ela.
Por | 10 de dezembro de 2019 às 10:53
Apple A7

O ex-designer de processadores para iPhones, Gerard Williams III; que deixou a Apple para formar sua própria empresa de desenvolvimento de chips, a Nuvia, está sendo processado pela Apple por violar contratos de trabalho. 

A maçã está processando Gerard Williams III, antigo designer de processadores para iPhones e iPads, por quebra de contrato. O processo afirma que Williams iniciou sua nova empresa, Nuvia, enquanto ainda trabalhava para a Apple, e também o acusa de recrutar seus ex-colegas.

“O caso envolve o pior cenário para uma empresa inovadora como a Apple”, diz o processo, arquivado no Tribunal Superior de Santa Clara. “Um diretor sênior com anos de experiência e anos de acesso às informações mais valiosas da Apple inicia uma empresa concorrente, aproveitando a mesma tecnologia em que o diretor estava trabalhando e as mesmas equipes com as quais trabalhava, enquanto ainda trabalhava na Apple”.

“A Apple não considera esse assunto simples”, continua. “A Apple não litiga com funcionários antigos regularmente. Aqui, no entanto, as ações de Williams, ao competir com a Apple e, ao mesmo tempo, trabalhar para a Apple, comprometem anos de trabalho árduo por centenas de pessoas e milhões de dólares investidos”.

As alegações específicas do processo incluem que “em 2018, Williams havia iniciado seu novo empreendimento que atuaria contra a Apple”. A Apple diz que Williams disse aos colegas que sua nova empresa desenvolveria tecnologia que a Apple “não teria escolha a não ser comprar dele”.

A Apple também alega que Williams “tentou encobrir seus negócios” enquanto estava na empresa. Ele teria tomado medidas para evitar “comunicações por escrito que ele achava que a Apple poderia encontrar”.

Em vez de e-mails, ele supostamente telefonou para potenciais recrutas ou conseguiu que seus colegas do Nuvia os contatassem em seu nome.

No entanto, Williams apresentou um contra-argumento, um “aviso de demurrer“no mesmo tribunal. O documento refere-se a várias seções do processo da Apple que Williams procura ter atingido.

Co-fundadores do Nuvia, L-R: John Bruno, Gerard Williams III e Manu Gulati

Co-fundadores do Nuvia, L-R: John Bruno, Gerard Williams III e Manu Gulati

No geral, sua refutação se concentra em como, afirma Williams, a Apple não tem o direito legal de processá-lo. Ele argumenta que as cláusulas anticoncorrenciais em seu contrato eram contra o legislador estadual.

“A Apple não pode declarar um pedido de quebra de contrato porque a cláusula contratual subjacente é ilegal”, afirma Williams em seu processo judicial. “A Apple não pode declarar uma reivindicação por violação do dever de lealdade, porque é antecipada pela Lei de Segredos Comerciais Uniformes da Califórnia …”

Willliams também afirma que a Apple usou mensagens de texto privadas entre ele e seus colegas.

“Para intimidar ainda mais qualquer funcionário atual da Apple que possa se atrever a deixar a Apple”, continua o documento demurrer, “a reclamação da Apple mostra que está monitorando e examinando os registros telefônicos e mensagens de texto de seus funcionários, em uma invasão impressionante e inquietante da privacidade”.

De acordo com The Register, que relatou a história pela primeira vez, os argumentos de Williams correspondem a como as leis estaduais significam que ele tinha permissão legal para planejar e recrutar sua empresa Nuvia enquanto ainda trabalhava para a Apple.

Gerard Williams deixou a Apple em fevereiro de 2019 após nove anos de serviço.

Na época, foi relatado que ele ainda não havia assumido um cargo em outra empresa. No entanto, foi revelado em novembro de 2019, que ele estava trabalhando para formar uma nova empresa chamada Nuvia com o objetivo de projetar processadores especificamente para data centers de uso pesado.

Ele é co-fundador da Nuvia, outros fundadores também são ex-funcionários da Apple, Manu Gulati e John Bruno.

Bruno e Gulati já haviam deixado a Apple para ingressar no Google antes do NuVia ser iniciado. Bruno trabalhou anteriormente no grupo de arquitetura de plataforma da Apple. Gulati estava envolvido no sistema móvel em um desenvolvimento de chips na Apple por oito anos até 2017.

Nem a Apple nem a Nuvia comentaram publicamente sobre o caso. No momento, está prevista uma audiência para 21 de janeiro de 2020.

Mais sobre:
ARTIGOS RELACIONADOS
Nenhum post encontrado.
LEIAM TAMBÉM
Galaxy Fold chega por incríveis R$ 13 Mil

Galaxy Fold chega por incríveis R$ 13 Mil

por Noticias
A Samsung anunciou hoje no Brasil o Galaxy Fold, seu primeiro smartphone dobrável, por R$ 13 Mil. Você não leu ...
Leia Mais
ebanx go

Abra conta digital Ebanx Go e ganhe 5% no AliExpress e Gearbest

por Noticias
O segmento de contas digitais vem crescendo no Brasil. A Ebanx, anunciou ontem (16) a estreia de sua conta digital ...
Leia Mais
MediaTek lança processadores Helio G70 e G70T gamers

MediaTek lança processadores Helio G70 e G70T gamers

por Noticias
A Mediatek anunciou ontem dois novos processadores intermediários focado em smartphones gamers: o Helio G70 e Helio G70T. Eles ficam ...
Leia Mais
mi store brasil

MI Store Brasil: o golpe se concretizou, loja some com dinheiro de clientes

por Noticias
Mais uma loja brasileira dedicada a Xiaomi está sendo acusada de golpe. Assim como a já fechada Xiaomi BRZ, agora ...
Leia Mais
galaxy-s20-plus

Galaxy S20+: confiram a primeira foto do modelo

por Noticias
E o primeiro Galaxy S20 tem imagens divulgadas. Um mês antes do lançamento oficial do sucessor do Galaxy S10, hoje ...
Leia Mais
Carregando...;