Como os rumores das últimas semanas apontavam, a Motorola anunciou hoje o aguardado Moto E. Tratá-se de um aparelho de entrada, mas que notavelmente é mais potente que a concorrência, algo como o Moto G é em sua faixa de preço. Mais uma vez a Motorola quer aterrorizar a concorrência, baixando o preço dos aparelhos de entrada, repetindo o que ela fez com o Moto G.

Como dissemos, o Moto E é um aparelho de entrada mas que possui a mesma linha do Moto G e X. Traz uma traseira encurvada além das bordas arredondadas. Além disso ele também vai ter o esquema de trocar as capinhas traseiras, assim como acontece com o G. A Motorola promete 9 cores no total, além de 5 capas resistentes diferenciadas.

Moto E

A tela é de 4,3 polegadas com a boa resolução de 960 x 540 pixels, isso é mais que suficiente para o tamanho da mesmas, dando assim uma densidades de 256 pixels. Ele ainda tem um processador Snapdragon dual-core de 1,7 GHz. Pode ser antigo, mas para a categoria que ele se propõe está de bom tamanho. Sua GPU é uma Adreno 302. O ponto alto é seu 1GB de RAM, algo não muito comum em um aparelho de entrada. Outro ponto interessante é o fato dele ter entrada para cartão de memória, algo que o Moto G não tem, isso é mais que bem vindo para seus 4GB de armazenamento interno. Sua câmera é de 5 MP, sem LED de iluminação. Na conectividade ele tem bluetooth, WiFi e rádio FM além de uma versão com TV, que  é meio que padrão nessa categoria de preço. Sua bateria é de 1980 mAh.

No Brasil ele vai custar na faixa dos R$ 529,00. Nessa faixa de preço não vejo nenhum Android que sequer chegue perto dele, acho que o maior concorrente dele será o Lumia 520 da Nokia, que roda o sistema Windows Phone. Esse aliás possui um hardware bem parecido com o Moto E.

Motorola botando medo na concorrência

É interessante essa estratégia que o Google começou com a Motorola, e parece que a Lenovo vai continuar adotando. Colocar aparelhos com bom hardware, dentro de sua categoria, com preços bem competitivos. O Moto X já fez um barulho enorme com seu preço, e o Moto G ainda é o smartphone mais queridinho do Brasil, e amado pelos Geeks. Outro fator que vem contando muito é o fato deles virem com um Android quase puro.

A Motorola só não vende mais pois as pessoas que compram esses aparelhos procuram o mais “bonitinho” ou famoso e não entendem muito sobre smartphones. Nessa hora o nome “Galaxy” ou “Nokia” pesa muito, pelo menos no Brasil.

Saibam como escolher um smartphone

Mas é bom ver esses aparelhos no mercado, afinal eles forçam os concorrente abaixarem os preços. Já notaram o impacto que o Moto G teve no mercado? com sua chegada as outras fabricantes foram obrigadas a lançarem smartphones com hardware satisfatório e preço baixo, não aqueles lixos que a Samsung distribuía por 500 Reais (Galaxy Y e compania). Um exemplo é o Xperia C, uma baita tela de 5 polegadas e processador Quad-core custando 700 Reais. Sem contar os modelos “antigos” como o Optimus G e Nexus 4 que custam pouco mais que isso.

Via Motorola

2 Comentários

  1. Acredito que vá aterrorizar no marketing , pois sinceramente pagar $600,00 em um treco sem flash, sem câmera frontal etc, é um non sense é mais negócio adquirir um Xperia C , N4 , moto G ( mesmo com câmera abaixo da média) , D3 , L625 …. E por aí vai ,

Deixe uma resposta