Interessante o que o fenômeno Pokemon Go vem causando. Desde teorias de conspiração a  mortes, o fato é que o jogo caiu na mídia. Hoje cedo toda a internet brasileira se comoveu quando noticiado, até nos grandes portais brasileiros, a morte de um menino de 9 anos que teoricamente havia morrido afogado enquanto caçava Pokémons, pois bem, está comprovado que a noticia era falsa.

Tudo começou quando o Diário Gaúcho noticiou que o menino que morava no litoral do Rio Grande do Sul, havia tentando entrar em um rio juntamente com seu amigo, enquanto ambos estavam “caçando” Pokémon. A notícia foi baseada em uma informação passada pela Brigada Militar do Rio Grande do Sul.

No registro do afogamento, policiais citaram que os dois meninos – o que se afogou e o que sobreviveu– pegaram os dois barcos para caçar pokémons. Porém a informação não se confirmou, inclusive o jornal porto-alegrense retificou a informação. Mas dai foi tarde demais, a notícia já havia sido compartilhada nas redes sociais. Muita gente compartilhou a informação, chocada com o desfecho do caso.

https://twitter.com/laripr_/status/763030606813036544?ref_src=twsrc%5Etfw

Passado a euforia das redes sociais, a polícia confirmou que Arthur Bobsin, de 9 anos, não carregava nenhum smartphone. O amigo dele, que estava junto, tinha um celular sem o aplicativo instalado. A policia deu até detalhes do aparelho do amigo: “um Alcatel, modelo “One Touch Pixi” será submetido à perícia, porém já foi constatado que o app não estava instalado no mesmo”.

“A mãe da vítima negou que o filho possuísse telefone e a outra criança negou que estivessem jogando. O aparelho celular será submetido a perícias pela autoridade policial, porém já foi constatado que o aplicativo não estava instalado”, disse o delegado Antônio Carlos, Ractz, que instaurou inquérito para apurar o caso.

O acidente ocorreu no município gaúcho de Imbé. Os dois pegaram sem autorização dois barcos a remo e entraram no rio Tramandaí, na segunda (8). A embarcação virou perto da margem. O amigo conseguiu voltar à margem, mas Arthur desapareceu.

As buscas começaram ainda na tarde de segunda. O corpo de Arthur foi encontrado por mergulhadores da Transpetro por volta das 20h. A mãe do menino, a estudante Márcia Bobsin, disse que o filho e o amigo enganaram a família.

“Eles estavam apenas brincando, fazendo coisa de criança, e viram um portão aberto e um barco. Foi atrativo para eles. O rio é na frente da minha casa. Mas eles não estavam jogando Pokémon, ninguém é negligente aqui”, disse a mãe do menino à Rádio Gaúcha.

Polícia Civil / Divulgação

“Meu filho é uma criança maravilhosa, amado por todos. Não tem nada a ver com esse jogo, esse Pokémon, foi uma brincadeira, uma arte, uma tragédia cometida por dois meninos”, declarou.

O mais interessante nisso tudo é como os grandes portais de notícias não averiguaram o acontecido e, simplesmente, replicaram o que foi encontrado em redes sociais. Uma pena, uma tragédia.

Sem comentários

Deixe uma resposta