Atualmente o Android lidera o segmento de entrada de smartphones. Mas de olho nesse mercado, a Microsoft há algum tempo vem lançando alguns modelos de entrada. Um deles, o mais recente, é o Lumia 630. Ele se detaca por estar custando muito pouco, sendo possível comprar o mesmo por menos de 400 Reais em algumas promoções. Mas não se engane pelo preço, o Lumia 630 possui um hardware praticamente igual a modelos bem mais caros que rodam o sistema Android. Além disso possui uma boa tela, de bom tamanho e um acabamento digno de Nokia. Ele roda o sistema Windows Phone 8.1, a versão mais nova do sistema que conta com novidades como a barra de notificações idealizada pelo Android.

Além disso, o Lumia 630 possui alguns outros atrativos como ser Dual SIM e ainda ter TV digital. Dentro de tudo o que ele oferece, será que consegue bater de frente com seu principal concorrente, o Moto E da Motorola? Será que apenas 512 MB de RAM que ele possui dá conta do recado? É isso que vamos ver.

Vídeo Review

Design e construção

Aqui a receita é básica: preço baixo = design simples. A Microsoft deixou o Lumia 630 o mais simples possível, porém simplicidade nesse caso não quer dizer fragilidade. O Lumia 630 tem um corpo de policabornato bem sólido e fosco, o que não atrai marcas de digitais. Um fato interessante é que a tampa dele recobre praticamente o celular todo, menos a tela obviamente. Ela cobre a traseira e também as laterais, esse estilo de montagem dá robustez ao aparelho e evita folgas, algo comum em aparelhos de entrada. O plástico por ser fosco também facilita a empunhadura, já que não escorrega facilmente das mãos. No Brasil será vendido apenas nas cores branca (que testamos) e preta. Lá fora existem ainda as cores laranja e verde. Segundo a Microsoft, no Brasil essas cores não tem muita saída, por isso decidiram não vender essas versões por aqui.

Review Lumia 630

Sendo um modelo de entrada, não dá para esperar que os engenheiros façam milagres, tornando ele super fino, porém também não é tão grosso. Ele é mais fino que seu concorrente Moto E. Possui apenas 9,2 mm. De altura tem 129,5 e de largura 66,7mm. Também é relativamente leve, com apenas 134 gramas.

Infelizmente, para economizar custo, a Microsoft tirou o tradicional botão de câmera que normalmente equipam os smartphones com Windows Phone.

IMG_0162

 

Como disse anteriormente, a tampa é bem sólida e isso se reflete na hora de tirar ela. É difícil, uma tarefá árdua que dá até medo de quebrar algo de tanta força que é necessária. Abrindo ela você se depara com sua pequena bateria de 1.830 mAh e os slots para cartão de memória e os dois chips SIM Card de operadoras.

Review Lumia 630 - bateria

 

Hardware e desempenho

Ele possui um hardware excelente se levar em conta o seu preço. A única ressalva vai aos 512 MB de memória RAM. Na prática não interfere no desempenho, porém na hora de rodar jogos pesados a loja de aplicativos já bloqueia, pois na maioria exigem 1GB de RAM. Abaixo uma lista com suas principais especificações:

  • Processador Snapdragon 400 Quad-core de 1,2 GHz;
  • 512 MB de RAM;
  • GPU Adreno 305;
  • 8GB de armazenamento interno (só dá para usar 4,5GB) + micro SD de até 128GB;
  • Câmera de 5 Megapixels (não tem câmera frontal);
  •  3G, Wi-Fi 802.11n, GPS, Bluetooth 4.0 e microUSB 2.0;
  •  Tela de IPS com 4,5 polegadas e resolução de 854×480 pixels (218 ppi) e proteção Gorilla Glass 3.

Como podem notar, ele tem o mesmo hardware (com exceção da memória RAM) que smartphones famosos como o Moto G, Xperia M2, LG G2 Mini e a maioria dos smartphones até 1000 Reais. Na prática ele tem um excelente desempenho para seu preço. Qualquer aplicativo e jogo (desde que não exija 1GB de RAM).  Ele também conseguiu reproduzir sem lags vídeos em Full HD, no formato mp4.

Mesmo com a multitarefa intensa, o Lumia 630 não decepcionou. Alguns apps bem pesados, como o Here, que na minha experiência não se saem muito bem com outros Windows phones baratos, como o Lumia 520, no 630 rodou sem problemas.

Mas nem tudo é perfeito. Alguns casos isolados de apps são lentos para abrir e realizar um ação. Um exemplo que posso citar é o Nokia Camera. Além dele demorar um pouco para abrir, até o ato de tirar uma foto as vezes demorar muito, o que dependendo da cena, já era a fotografia. Na hora de abrir a galeria acontece o mesmo, os thumbnais demoram para carregar.

Na parte de áudio, seus alto falantes são mais que competentes. Como é um modelo que vem com TV digital, tem um som audível é uma característica bem vinda, o Lumia 630 se saiu muito bem tanto ao executar músicas e vídeos como na hora de ligações telefônicas através do Viva Voz, ao utilizar o alto falante traseiro.

Outro fato importante de se dizer, é que ele possui 8GB de armazenamento interno, lembrando que existem aparelhos hoje de entrada com apenas 4GB. Além disso, surpreendeu o fato dele suportar cartões de memória de até 128 GB, algo que a maioria dos smartphones não suportam.

Sua bateria é um ponto que me desagradou. Ela acaba extremamente rápido dependendo do tipo de aplicação que você usa. Isso é meio óbvio, você pode estar pensando, mas mesmo assim ela tem sua carga literalmente sumir depois de executar 1 hora de vídeo. De 100% de carga, em determinado momento que comecei a assistir um filme, ela simplesmente estava em 25% quando acabei. Mais 20 minutos jogando ela foi para 11%.

Em outro teste, simulei o meu uso diário, onde o 3G e WiFi ficaram ligados o tempo todo, ouvi cerca de 3 horas de música, 30 minutos de vídeo em streaming, 1 hora de navegação na internet, 20 min de GPS, 30 minutos de jogos e 10 minutos de ligações, quando chegou ao fim do dia (+- 6 da tarde) a bateria estava em 8%. Normalmente, no meu smartphone oficial, a bateria chega em casa com esse uso em mais ou menos 25% de carga. Mas repito: estamos falando de um smartphone de entrada que custa muito pouco.

Tela

A tela do Lumia 630 é boa demais para seu preço. Ela é grande com 4,5 polegadas, tem uma resolução aceitável para o tamanho, é feita de IPS e ainda tem Gorilla Glass 3. Essa combinação não é encotrada em smartphones abaixo de 700 Reais (com exceção do Moto G). É claro que poderia ser HD, mas não é fácil você encontrar os pixels nela, embora estejam lá a vista. Mas tirando isso, ela é boa.

review lumia 630 - tela

Smartphones baratos sofrem de um mal genérico: debaixo do sol a tela simplesmente fica ilegível. No caso do Lumia 630 isso não aconteceu. Ela não reflete tanto a luz como os concorrentes graças ao ClearBlack, porém nã é aconselhável o uso dele nesse modo. Para falar a verdade, 90% dos smartphones tem esse mal. As cores também me agradaram, não são lavadas com o constraste lá em cima, digo isso pois muitos fabricantes recorrem em smartphones baratos a fim de esconder a má qualidade da tela.

Mas a tela poderia ser perfeita se não fosse uma coisa: a sua sensibilidade. Não sei é algum problema com o software ou é com a tela, mas o fato é que algumas vezes a tela não reconhece os toques. Não é algo frequente, porém algumas vezes você clica em determinado ícone ou tile e eles simplesmente se recusam a reconhecer o toque. A mesma coisa a barra de notificações, é necessário “apertar e puxar” para que ela desça, em outros smartphones da Nokia com o Windows Phone 8.1, é um simples gesto de puxar – sem apertar – para que a barra desça. Notem: não estou dizendo que isso justificaria não comprar o Lumia 630, porém as vezes irrita. Pode ser apenas um problema de software a ser resolvido em uma atualização.

Software: o novo Windows Phone 8.1

Por incrível que pareça, o Lumia 630 é o primeiro smartphone a vir de fábrica com o Windows Phone 8.1 aqui no Brasil. Dentre as principais novidades, podemos citar várias que a Microsoft estava devendo frente a concorrência. A principal delas é a barra de notificações acima da tela, acreditem, faz muita diferença.

barra de notiticação

Há também os botões virtuais abaixo da tela, que pessoalmente não gosto em nenhum sistema, ainda mais no Windows Phone que eles são fixos, nunca saem dali, ou seja, a tela tem na realidade cerca de 4,3 polegadas.

IMG_0167

Outra novidade, ou firula, interessante é a possibilidade de colocar um papel de parede no fundo dos tiles. É um efeito legal ver os tiles passando e o fundo estático. Para completar há o novo Internet Explorer 11 e, finalmente, a atualização automática de apps.

A barra de notificações é exatamente igual a do Android e iOS, você puxa ela para baixo e ali aparece seus email, atualizações, notificações e etc. Há também um atalho para as principais funções: Wi-Fi, Bluetooth, acionar a câmera e alterar a intensidade de brilho da tela. Porém não é possível colocar nem tirar outros atalhos. A barra fica ativa mesmo quando a tela está bloqueada.

Poderia falar da assistente Cortana, mas não vou falar pelo simples fato dela ainda não aceitar o português. A própria Microsoft já nos afirmou que a Cortana irá aprender o português em 2015, embora não há uma confirmação oficial.

Multimídia

O Windows Phone sempre foi destaque na hora de multimídia. Eu acho o aplicativo Mix Radio o melhor app musical já feito para um smartphone. Você pode ouvir o que quiser sem precisar fazer o download, ou faze se quiser, sem pagar um centavo por isso. Sem contar que o catálogo de músicas da Microsoft está entre os melhores e não fica tão atrás do iTunes. O Player de música também é muito bom e completo. Já o vídeo player é muito simplista e não conta com funções básicas.

O aplicativo de TV é satisfatório, embora a recepção seja ruim como acontece com todos os smartphones que possuem tal função. Ele permite capturar imagens ou gravar trechos das transmissões facilmente e oferece suporte a closed caption. Mas se você pretende assistir TV dentro de casa – sabe lá porque – desista, pois dificilmente algum canal fica disponível em ambientes fechados.

Câmera

Se tratando de um smartphone de entrada, onde geralmente a câmera é praticamente inutilizável, o Lumia 630 surpreende. Não estou falando que seja boa, mas se comparar com o Moto E, por exemplo, está anos luz a frente. Ela quebra um galho tremendo, dependendo da luz ambiente, dá para tirar boas fotos. O sensor do Lumia 630 possui 5 megapixels e tem enfoque automático como auxílio, sendo capaz de gerar imagens com resolução de 2592×1944 pixels e vídeos de 720p com 24, 25 ou 30 frames por segundo. De negativo podemos citar a ausência de um LED de iluminação.

review lumia 630 - camera

As fotos, quando a iluminação está boa, consegue uma boa fidelidade de cores e o software do Lumia 630 não força no pós-processamenteo tentando melhorar exageradamente as imagens. Porém, na tela do PC ao dar um Zoom, aparecem pontos sem nitidez onde o software “tenta” diminuir os ruídos das imagens que perdem nitidez no processo.

Você tem duas opções de aplicativos: o nativo do Windows Phone 8.1 e o Nokia Câmera. O nativo é mais simplista e mais intuitivo de se usar. Já o aplicativo Nokia Camera, apesar de ser mais demorado para abrir como disse anteriormente, tem mais opções de fotografias além de ajustes mais finos de acordo com a situação que você quer tirar uma foto.

foto review lumia 630
Detalhe no desfoque ao fundo
foto Lumia 630
Foto tirada em ambiente interno, ruido muito alto

lumia 630 s moto g

Prós e contras

Prós

  • Custa muito barato e oferece excelente custo beneficio
  • Tela de tamanho e resolução boa para a categoria
  • Corpo bem construido

Contras

  • Bateria poderia ser melhor
  • Apenas 512 MB de RAM
  • Não tem flash na câmera e nem câmera frontal

Conclusão

Se você procura um smartphone barato, ou mesmo um de backup, o Lumia 630 é a melhor opção abaixo de 500 Reais hoje, empatando com o Moto E. Restando apenas a preferência do sistema operacional.

O Lumia 630 pode ser comprado por 395 Reais nas Americanas.

 

Review
Custo x beneficio
9
Tela
7.5
Câmera
6
Perfomance
9
Bateria
9
SHARE
Post anteriorZenfone 5 brasileiro já pode ser rooteado
Próximo postLG e ASUS mostram datas para atualizações para Android 5.0 Lollipop

Sem comentários

Deixe uma resposta