De acordo com o relatório divulgado pela Sensor Tower, Pokémon GO alcançou em torno de US$ 200 milhões apenas no primeiro mês, tonando-se o novo fenômeno cultural e muito mais lucrativo que os conhecidos Clash Royale e Candy Crush Soda. Mas, o que podemos aprender com este novo jogo? Veja o que o co-fundador da empresa StartMeUp, Fábio Silva, traz cinco lições do game para as empresas que buscam inovar constantemente.

– Faça de um jeito simples. Inovação não tem que significar complexidade ou dificuldade. As empresas que procuram desenvolver um produto interativo devem manter a importância da simplicidade em mente, pois o que é mais fácil de aprender pode gerar maior taxa de conversão e retenção. O Pokémon GO, por exemplo, não possui tutorial, manual ou instruções, é um jogo intuitivo e extremamente fácil de jogar, trazendo um crescimento espontâneo de usuários diariamente.

– Do online para o off-line. Muitos comércios têm se aproveitado do crescente número de usuários do jogo para atrair clientes para os seus negócios por serem locais próximos de PokéStops ou ginásios Pokémon. Essa forma de conversão pode ser bastante positiva, capturando, assim, todo o tráfego online de jogadores e os trazendo para o off-line.

– Encontre maneiras criativas para alcançar novas metas. As empresas estão sempre procurando a próxima grande ideia como uma maneira de ficar à frente da concorrência. Tanto a Niantic quanto a Nintendo criaram uma mina de ouro com Pokémon GO e, certamente, tinham objetivos claros na criação do game. Reserve um momento para pensar em novas metas e em maneiras criativas de alcançá-las. Pense em como você pode posicionar o seu produto para atingir o target desejado.

– Segurança como prioridade. Milhões de jogadores em todo o mundo estão tentando capturar os pokémons. Contudo, enquanto estão jogando pouco prestam atenção em sua própria segurança, já ouvi relatos de pessoas sendo assaltadas e atropeladas. Além desta preocupação, as empresas devem constantemente procurar maneiras de melhorar a segurança de seus usuários em relação à violação de dados. É importante que as empresas sempre estejam conscientes dos riscos e possíveis falhas inerentes dos negócios digitais. Governança corporativa é tão importante quanto olhar para os dois lados antes de atravessar a rua para pegar um Pokémon raro.

*Fábio Silva é Administrador de Empresas com Pós-Graduação em Formulação Estratégica e Processos Gerenciais pela Fundação Getúlio Vargas (FVG). O executivo é co-fundador da StartMeUp, plataforma colaborativa de investimento

Sem comentários

Deixe uma resposta